Porto realiza Super Week e oferece descontos no Seguro de Transportes

Porto realiza Super Week e oferece descontos no Seguro de Transportes

julho 15, 2020

A ação, que contempla os corretores de São Paulo, Centro-Oeste, Sul e Minas Gerais, incentiva a geração de novos negócios e traz benefícios aos parceiros

 A Porto Seguro promove até a próxima sexta-feira, 17 de julho, a Super Week Transportes. A ação, que contempla os corretores de São Paulo (Capital e Metropolitana), Centro-Oeste, Sul e Minas Gerais, incentiva a geração de novos negócios e traz condições e benefícios especiais aos parceiros.

Entre os incentivos ofertados pela companhia, os corretores receberão 2% extra nos seguros de Embarcador e Transportador a averbar, durante a primeira vigência da apólice. Também terá vale-presentes de R$ 50 para o fechamento de seguros avulsos, a cada R$ 2.000 em prêmio emitido para seguros protocolados nesta semana. Há também vale-presentes de R$ 100 para o fechamento do produto Transportes Mais Simples, a cada novo protocolado nesta semana. Fechando seguros dos segmentos combustível, alimentício, higiene/limpeza e materiais de construção, a premiação passa a ser R$ 130.

 

Para Rose Matos, gerente da seguradora, as condições oferecidas nesta campanha reforçam o compromisso da companhia com os corretores. “O mercado como um todo foi afetado nesse período de pandemia e estamos com uma boa expectativa para a retomada do setor de transportes de cargas, com a abertura gradual dos comércios”, comenta. “Nossa dica é que continuem investindo em segmentos que contribuirão para o reaquecimento da economia, como combustíveis, têxteis, alimentício e construção. Eles contam com o nosso time especializado para auxiliar em todo o processo “, reforça.

Entre os produtos participantes da Super Week Transportes, estão: RCTR-C (Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga) e o RCF-DC (Responsabilidade Civil Facultativa por Desaparecimento de Carga). Ambos destinados aos transportadores. Já para os embarcadores, participam os produtos: Porto Seguro Transportes Embarcador, Porto Seguro Transportes Embarcador Programável, Porto Seguro Transportes Mais Simples e o Porto Seguro Transporte Internacional. Além do recente lançamento da companhia, que é o Responsabilidade Civil Ambiental Transportes.

 

Para saber mais sobre a Super Week, o parceiro pode entrar em contato na central de atendimento WHATSAPP : (12) 99612-1414

N.F.
Revista Apólice

Seguro Garantia tem sido solução para empresas manterem fluxo de caixa

Seguro Garantia tem sido solução para empresas manterem fluxo de caixa

julho 15, 2020

Em um cenário com aumento de demissões, valor das ações trabalhistas relacionadas à pandemia já soma mais de R$ 3 bilhões

 Em um cenário em que ocorre o aumento nos casos de demissões e processos trabalhistas em virtude da pandemia do coronavirus, a contratação do Seguro Garantia Judicial tem se tornado alternativa frequente para manter a saúde financeira das empresas. De acordo com a Baroli Corretora de Seguros, nos últimos quatro meses a contratação desse tipo de seguro, que funciona como um instrumento de caução em diversos tipos de processos, aumentou em 70%, os quais uma parcela significativa se converterá em execução. Segundo dados do Termômetro covid-19 da Justiça do Trabalho, já são mais de 58 mil ações trabalhistas nos últimos quatro meses, cujo valor estimado já passou de R$ 3 bilhões.

Com a liberação do Conselho Nacional de Justiça, em março deste ano, para substituição dos depósitos recursais em dinheiro por seguro garantia para que as empresas possam reforçar o caixa, a expectativa é que haja R$ 65 bilhões para serem substituídos em seguro. “É um produto que vai custar à empresa em média R$ 300 por processo e substitui o depósito realizado. Um custo muito baixo, inclusive, se comparado à outras formas de garantias”, afirma o diretor da Baroli, Emerson Barbosa.

 

Ainda de acordo com dados da Justiça do Trabalho, o número de ações trabalhistas em virtude de demissões diretamente relacionadas à crise provocada pelo coronavirus aumentou mais de 527%. Com a queda na economia e o aumento das ações, as empresas procuram alternativas para manterem o fluxo de caixa para evitarem o risco de quebra. “Uma vez comprovado o dano à empresa provocado pelo depósito, o seguro garantia torna-se opção para que haja a substituição um pelo outro e, assim, dar fôlego para que a empresa possa manter o fluxo de caixa”, avalia Barbosa.

Pesquisa recente divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que a taxa de desemprego no Brasil saltou de 11,6% no trimestre até fevereiro para 12,9% no trimestre até maio. De 12,3 milhões de pessoas, o número aumento para 12,7 milhões de desempregados

A alternativa pelo produto traz diversos benefícios à empresa como, por exemplo, a oportunidade de evitar que negócio e patrimônio sejam afetados durante o andamento do processo, além de ser uma opção acessível no mercado. Por ter um custo menor, a utilização não afeta o crédito bancário para financiamentos, não compromete fluxo de caixa ou planos de investimentos e ainda preserva o patrimônio da empresa. “No ponto de vista empresarial, é uma alternativa para deixar de dispor de valores financeiros que seriam depositados como garantia nos processos”, avalia o advogado especialista em direito trabalhista da Cascone Advogados Associados, Vinicius Cascone.

N.F.
Revista Apólice

Quem precisa contratar o seguro de RCTR-C?

Quem precisa contratar o seguro de RCTR-C?

junho 26, 2020

O RCTR-C, seguro de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga, deve ser contratado pelo transportador legalmente constituído.

✒ Regulamentado pelo decreto de número 61.867, promulgado em 07/12/1967, este seguro é obrigatório e deverá ser contratado mesmo que o dono da carga (embarcador) tenha seguro próprio, ou que não exija o seguro na negociação do frete.

💡 Para ser considerado legalmente constituído e assim estar apto para contratar uma apólice de seguro, o mesmo deverá ter:

– Atividade (CNAE) de Transportador na Receita Federal;
– Registro (RNTRC) junto a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT); e
– Emitir documento fiscal ou não fiscal, de acordo com sua operação (por exemplo CTe, MDFe).

🔏 Esse seguro dará ao contratante as garantias de cobertura em indenizações que ele seja obrigado a pagar, derivados de acidentes ocorridos com os veículos de transporte, o que inclui abalroamento, capotagem, colisão, explosão, incêndio ou tombamento.

✅ Além da prevenção em casos de Acidente, a transportadora também poderá contratar a cobertura contra Roubo (RCF-DC), embarque Aéreo (RCTA-C), viagem internacional (RCTR-VI) entre outros…

🏆 Chegou até aqui e está interessado? Ainda temos as coberturas adicionais de:

– Limpeza de pista;
– Avarias fora do acidente rodoviário;
– Carga, Descarga e Içamento , entre outros.

Porto Seguro Fiança Locatícia

Porto Seguro Fiança Locatícia

junho 16, 2020

Mais praticidade para você, inquilino, e mais garantias para proprietários e imobiliárias

Alugar um imóvel é muito mais fácil com a Porto Seguro. Você não precisa se preocupar com fiador e caução, aluga o imóvel que quiser com agilidade e ainda conta com vários benefícios.
São diversas opções de coberturas como pagamento de aluguel, encargos mensais da locação (IPTU, condomínio, água, luz, gás), danos ao imóvel, pintura, além de serviços emergenciais de reparos ao imóvel e descontos para você aproveitar.

Conte com as facilidades e garantias do Porto Seguro Aluguel

Escolha o imóvel e simplifique o processo de locação com o Porto Seguro Aluguel. Além de não precisar de um fiador ou desembolsar um valor como caução na hora de alugar, você tem serviços de emergência gratuitos para a manutenção da residência e descontos em transportadoras e eventos culturais. Já proprietário e imobiliária podem ficar tranquilos com as coberturas completas oferecidas.

 

Saiba mais através de nosso canal do WhatsApp: (12) 996124144

Senai seleciona projetos de impacto no combate ao novo coronavírus

Senai seleciona projetos de impacto no combate ao novo coronavírus

maio 4, 2020

Realizada no âmbito do Edital de Inovação para a Indústria, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) selecionou dez propostas de soluções de impacto contra a pandemia do novo coronavírus, para participar da iniciativa batizada de Missão Covid-19. 

Em duas etapas anteriores, a entidade contemplou 15 projetos, todos na forma de consultorias, metrologias, ensaios e análises e ações de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) que oferecem respostas à causa. 

No total, será destinado um aporte de R$ 24,5 milhões aos projetos. O valor máximo reservado para um único projeto é de R$ 2 milhões. O edital é financiado conjuntamente pelo Senai, pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

Um dos projetos escolhidos é da fabricante de eletrônicos Novus. Com um sistema composto por câmeras e de medição de índices corporais, como temperatura e frequência respiratória, o dispositivo visa reduzir a contaminação de profissionais de saúde durante a triagem de paciente. Os dados coletados pelo dispositivo poderão ser utilizados para auxiliar as equipes de atendimento a mapear o perfil dos pacientes que dão entrada nas unidades, usando recursos de inteligência artificial.

Outro projeto aprovado no edital consiste em um revestimento antiviral, cujo componente principal é a prata. O produto deverá ser lançado na forma de spray, para que seja aplicado em pontos como maçanetas de portas e balcões de atendimento, facilitando, assim, a esterilização de tais superfícies. 

Conforme destaca o diretor-geral da TNS Nanotecnologia, Gabriel Nunes, empresa que irá desenvolver o spray, em conjunto com a Paumar (WEG Tintas), as nanopartículas de prata já são uma técnica presente em produtos disponíveis no mercado. Como exemplos, Nunes cita itens da indústria têxtil, cosméticos e tintas. “O nosso principal ativo nesse produto é a prata. Muita gente conhece a prata por ser um metal precioso. Mas, lá, vindo da época milenar, a utilização de pratas para o uso de talheres ou utensílios doméstico não é só porque é bonito e valioso, mas porque a prata tem uma propriedade natural de eliminar microorganismos”, explica.

Segundo Nunes, tendo em vista as regras do edital e que a equipe irá iniciar o desenvolvimento em maio, o projeto deve estar pronto em novembro, com a apresentação da solução proposta. A ideia é de que o spray seja vendido em farmácias e supermercados, tanto no Brasil como no exterior.

Perguntado pela Agência Brasil sobre como funcionam as certificações necessárias para que o produto possa ser lançado e comercializado, Nunes esclarece que, de forma geral, é necessário comprovar que a substância não faz mal para o organismo, nem em curto, nem em longo prazo. Para tanto, são realizados diversos testes, em que os pesquisadores a submetem a fatores como calor e luz excessivos, simulando mudanças a que pode estar sujeita no tempo. 

“Hoje temos que comprovar que essa tecnologia não é tóxica nem citotóxica [que não faz mal a células]. Nós já conseguimos conferir que não é tóxica para as células de rim e pulmonares. Agora, já aplicamos para a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] nos fornecer um número de registro, e isso leva cerca de 60 dias para sair, sendo que um laboratório emite um resultado e depois a gente leva para a Anvisa. Nós temos que fazer um teste de envelhecimento acelerado, para comprovar que ,mesmo ao longo dos meses ou anos, o produto não vai se transformar em algum complexo químico”, esclarece.

“Temos que seguir algumas normas e a maioria delas se baseia em princípios como envelhecimento por lâmpada UV [ultravioleta], para simular que o sol está incidindo sobre aquele material, só que a gente coloca sob uma intensidade muito forte, para simular que você está naquele sol do meio-dia, do verão. Depende do equipamento, mas tem uns em que um dia [de exposição] equivale a uma semana. Além disso, você estressa o produto de maneira anormal, você aquece e esfria, aquece e esfria, várias vezes, e nisso a gente vai verificar se, ao longo do tempo ou dentro de um meio de transporte, um navio, um avião, [o material] vai sofrer alguma alteração. E tem simulação para ver se provoca irritação dérmica. Antigamente, era feito em animais. Hoje, agora só é feito sob simulação. Então, a gente tem que ter todo esse embasamento teórico pronto, para montar um dossiê. Esse dossiê vai para a Anvisa autorizar”, detalhou Gabriel Nunes.

Edição: Aline Leal

Fonte: Agência Brasil

Veja como a inovação está ajudando a combater o coronavírus

Veja como a inovação está ajudando a combater o coronavírus

maio 4, 2020

Um inimigo microscópico criou um desafio sem precedentes para a humanidade. De fácil contágio, o novo coronavírus põe o mundo em alerta, isola um terço da população em casa e causa milhares de mortes. Mas uma série de soluções inovadoras ajuda médicos e autoridades em saúde a enfrentar essa batalha e a reduzir o impacto negativo do vírus.

E não é preciso ir longe para encontrar exemplos bem-sucedidos – o próprio Brasil desenvolve iniciativas que servem de referência para outros países. Veja sete soluções adotadas por aqui e em outras partes do planeta na luta contra o Covid-19:

 

1 – Sequenciamento do vírus

 

A expertise desenvolvida durante as epidemias de zika e dengue fizeram com que o Brasil se tornasse o primeiro país a anunciar o sequenciamento do novo coronavírus. Com o auxílio de novas tecnologias e o uso do conhecimento de testes para doenças anteriores, pesquisadores do Instituto Adolfo Lutz e das universidades de São Paulo (USP) e de Oxford (Reino Unido) anunciaram a descoberta em tempo recorde: 48 horas. O padrão para esse tipo de resultado é de 15 dias.

Com o sequenciamento completo em mãos, a ciência e a medicina ganham um importante aliado. Ele fornece informações sobre o vírus capazes de ajudar na produção de vacinas, na criação de tratamentos e no desenvolvimento de diagnósticos mais precisos.

 

2 – Teste rápido nacional

 

Com tecnologia 100% nacional, pesquisadores da Unicamp e da USP criaram um teste rápido para o novo coronavírus. Em cinco minutos, o aparelho apresenta o resultado. O produto custa R$ 40, a metade do valor dos equipamentos importados.

Para criar o exame, os cientistas buscaram as “impressões digitais” do vírus. Ou seja: identificaram as moléculas que existem na doença com a ajuda de um programa de inteligência artificial. O exame deve estar no mercado até maio.

 

3 – Ventiladores pulmonares brasileiros

 

A inventividade brasileira vai ajudar a driblar um dos principais desafios mundiais na busca para evitar mortes pelo Covid-19. Preocupado com a escassez de ventiladores pulmonares, essencial para socorrer pacientes graves internados com a doença em UTIs, o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), desenvolveu um similar brasileiro. O trabalho contou com a cooperação de estatais, empresas privadas e fundações em contatos feitos a partir das redes sociais.

Por ter uma função emergencial, o aparelho do Coppe não atende todos os requisitos de um equipamento comercial, mas conta com os dispositivos de segurança, como alarmes para avisar a falta de oxigênio, energia ou outros aspectos que podem colocar a vida dos pacientes em riscos. O ventilador pulmonar da Coppe passou nos primeiras avaliações e deve ser testado em pacientes ainda na primeira quinzena de abril. Se aprovado, o instituto produzirá mil peças. Cada uma custará R$ 5 mil. Os equipamentos similares comerciais chegam a valer R$ 100 mil.

 

4 – Triagem virtual no SUS

 

Quais são os riscos de você estar infectado? Lançado pelo Ministério da Saúde, o aplicativo de celular Coronavírus – SUS permite que a pessoa faça uma espécie de triagem virtual e descubra se pode ser um caso suspeito. O usuário responde a perguntas sobre seus sintomas e o app indica a possibilidade de ele estar com a doença.

O software indica as unidades de saúde mais próximas, onde o paciente fará uma avaliação médica e terá o diagnóstico oficial – o parecer do app serve apenas como referência para alertar sobre a gravidade ou não de uma situação.

O Coronavírus – SUS apresenta também diferentes seções para atualizar o usuário. Em uma delas, o Ministério da Saúde desmente fake news. O app ainda é um canal que oferece as últimas informações oficiais sobre a doença.

 

 

5 – Controle social de cidadãos

 

A China também apostou nos aplicativos para combater o avanço do coronavírus – mas com uma proposta bem mais ousada (e polêmica). Com o software, o governo central controla onde cada cidadão esteve ou com quem manteve contato. Se a pessoa se aproximou de um paciente com coronavírus ou frequentou um local de risco, o app determinará que ela busque um check-up médico e fique em quarentena. Caso ela desrespeite a determinação, a polícia pode ser acionada.

Responsável por adotar uma das estratégias mais bem sucedidas na guerra contra o Covid-19, a Coreia do Sul também monitora a localização dos pacientes, controlando para que ele não saia do seu espaço de isolamento.

 

6 – Drones faxineiros

 

Sem dar conta de fazer a desinfecção de todas as ruas das cidades com foco da doença, os chineses apelaram para os drones. Os equipamentos fazem o sobrevoo para aplicar produtos de limpeza e diminuir os riscos de contágio. A técnica se espalhou por outras cidades – no Brasil, capitais como Porto Alegre já fazem experimentos similares.

A Espanha recorreu aos drones para convencer os cidadãos a manterem o isolamento social. Em áreas onde há o desrespeito significativo à quarentena, os equipamentos dão avisos sonoros para que as pessoas fiquem em casa.

 

7 – Robôs aliados

 

A revista Science Robotics fez o alerta: a crise do coronavírus chamou atenção para a necessidade de explorar o potencial dos robôs no combate às pandemias. A publicação aponta a possibilidade de eles serem usados para atividades que vão desde a desinfecção de ambientes como hospitais, evitando a disseminação do vírus, até o controle de fronteiras. Também podem fornecer medicamentos e alimentos, além de medir sinais vitais, contribuindo para reduzir os contatos entre pacientes e outras pessoas.

Essa última aplicação foi usada de forma limitada na China e pode se tornar um recurso no Brasil. Pesquisadores da USP, de São Carlos, desenvolveram um protótipo capaz de fazer o fornecimento de produtos para infectados. A ideia aguarda apoio financeiro para virar realidade no país.

 

Na Bélgica, os robôs se tornaram ferramentas não para afastar pessoas, mas aproximá-las. Eles fazem companhia para idosos que tiveram visitas restritas nas últimas semanas em casas de repouso e ajudam a fazer chamadas de vídeo para familiares e amigos.

F

fonte: G1

MERCADO Farmácias registram aumento da demanda, na contramão da crise do Coronavírus

MERCADO Farmácias registram aumento da demanda, na contramão da crise do Coronavírus

maio 4, 2020

As empresas do setor, que continuam abertas ao público, precisam redobrar os cuidados com a proteção de funcionários e clientes

O segmento de farmácias tem registrado um aumento das vendas nesse período de isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus. Na contramão de outros setores, como alimentação fora do lar ou salões de beleza, por exemplo, as farmácias tiveram no Brasil um incremento de 15% nas demandas, de acordo com pesquisa feita pelo Boston Consulting Group. Apesar disso, e mesmo não sendo obrigadas a fecharem as portas, esses negócios também precisam estar atentos aos desafios impostos por esse momento.

O analista Geraldo da Costa, da unidade de competitividade do Sebrae, lembra que as farmácias – pelo fato de continuarem atendendo ao público – devem redobrar os cuidados para evitar a contaminação dos funcionários e clientes. “Iniciativas como criar horários alternativos para atender aos grupos de risco, fazer marcações na fila para que seja obedecida a distância mínima entre as pessoas, criar barreiras protetoras nos caixas ou realizar atendimento em domicílio são alguns cuidados que trazem mais segurança e tranquilidade”, comenta Geraldo

De acordo com o especialista, as empresas também não podem deixar de ter em conta os cuidados com a gestão do negócio. “Os donos dos pequenos negócios precisam avaliar se estão usando toda a mão de obra contratada. Além disso, devem avaliar a possibilidade de dar férias a parte da equipe, por exemplo”, comenta Geraldo. Outra iniciativa importante é aproveitar o momento para capacitar os funcionários por meio das inúmeras ferramentas de qualificação online disponíveis.

Geraldo da Costa lembra ainda que em momentos de crise é fundamental que os empreendedores estejam focados no equilíbrio do fluxo da caixa. Nesse sentido, negociar a redução dos custos do negócio é algo que deve ser buscado permanentemente. “Ninguém sabe quanto tempo essa crise vai durar e se a alta na demanda nas farmácias vai permanecer. Por isso, discutir a extensão dos prazos de pagamento com fornecedores, os valores e prazos no aluguel das lojas e a redução das taxas dos serviços de entrega. Tudo o que for possível negociar, deve ser tentado”, comenta

Confira algumas dicas para as empresas do setor

  • Garanta o abastecimento dos produtos. As farmácias devem garantir o suprimento de medicamentos e materiais de proteção individual necessários e devem colaborar para a educação em saúde e gerenciamento colaborativo com hospitais e unidades de saúde, em momentos de crise, em saúde pública.
  • Cuidado para não demitir empregados e perder pessoas já preparadas, além de elevar os custos do negócio com demissões.
  • Desenvolva canais alternativos de venda.
  • Se a sua empresa ainda não atua com delivery, esse é o momento de repensar estratégias.
  • Negocie com aplicativos de delivery para que não sejam feitas cobranças de taxa nesse período de crise.
  • Invista em estratégias de marketing nas redes sociais.

Foto: Shutterstock

Fonte: Sebrae

Vocabulário de Seguros

Vocabulário de Seguros

janeiro 15, 2020

UM GUIA PARA QUE VOCÊ NÃO FIQUE PERDIDO AO CONVERSAR COM SEU CORRETOR

ACEITAÇÃO

Aprovação da proposta — base para a emissão da apólice — apresentada pelo Segurado para a contratação do seguro.

ACESSÓRIO

Peça desnecessária ao funcionamento do veículo e nele instalada para sua melhoria, sua decoração ou para o lazer do usuário.

ACIDENTE

Acontecimento imprevisto e involuntário do qual resulta um dano causado ao objeto ou à pessoa segurada.

ACIDENTES PESSOAIS DE PASSAGEIROS

Evento súbito, involuntário e violento, causador de lesão física que, por si só e independentemente de outra causa, tenha como conseqüência direta a morte ou a invalidez permanente, total ou parcial, dos passageiros ou do condutor do veículo segurado. Tal evento, com data caracterizada, é exclusivo e diretamente provocado por acidente de trânsito com o veículo segurado.

APÓLICE

Documento emitido pela Seguradora, em função da aceitação do risco, que formaliza o contrato de seguro, no qual constam os dados do Segurado, bem como os da cobertura que identifica o risco e o patrimônio segurado.

APROPRIAÇÃO INDÉBITA

Ato ilícito que consiste em apossar-se de coisa alheia móvel de quem tem a posse ou a detenção.

AVARIA 

Termo empregado para designar os danos ao bem segurado.

AVARIA PRÉVIA

Dano existente no veículo segurado, antes da contratação do seguro, e que não está por este coberto.

AVISO DE SINISTRO 

Comunicação efetuada através de contato telefônico ou de formulário específico com a finalidade de dar conhecimento ao Segurador da ocorrência de um sinistro.

BENEFICIÁRIO 

Pessoa física ou jurídica a favor da qual a indenização deve ser efetuada.

BÔNUS

Desconto obtido pelo Segurado na renovação do seguro, desde que não tenha havido um dos seguintes fatos: ampliação de cobertura, ocorrência de sinistro durante o período de vigência da apólice anterior, qualquer transferência de direitos e obrigações ou qualquer interrupção no contrato de seguro. Este indicador é avaliado a cada período de um ano de vigência de seguro, sendo único para as coberturas de casco, acessórios, carrocerias, equipamentos especiais, responsabilidade civil facultativa e acidentes pessoais passageiros.

CANCELAMENTO

Dissolução antecipada da apólice de seguro.

CARROCERIA

Parte que fica sobre o chassi e onde se alojam os passageiros, em veículos coletivos e de passeio. Em caminhões, parte traseira, destinada à carga.

CLASSE DE LOCALIZAÇÃO

Local definido pelo Segurado para a taxação do risco. Deve ser onde o veículo circula e/ou permanece, no mínimo, 85% do tempo da semana. Nos casos em que o veículo circular por mais de uma classe de localização, não  permanecendo em uma delas por mais de 85% do tempo da semana, será definida dentre elas a classe de maior risco. Em se tratando de caminhões, rebocadores e semi-reboques que circulem por mais de uma classe de localização, não ficando 85% do tempo da semana em apenas uma delas, a definição da classe deverá ser feita considerando a base (local onde o caminhão/rebocador/semi-reboque permanece quando não está a serviço).

CLÁUSULA

Definição de cada uma das disposições contidas no contrato de seguro.

CLÁUSULA PARTICULAR

Disposição, inserida na apólice, cuja finalidade é destacar ou especificar determinados aspectos da cobertura do seguro.

COLISÃO

Qualquer choque, batida ou abalroamento sofrido ou provocado pelo veículo segurado.

CONDIÇÕES GERAIS

Conjunto de cláusulas contratuais que estabelecem obrigações e direitos, do Segurado e da Seguradora, de um mesmo contrato de seguro.

CORRETOR

Intermediário, pessoa física ou jurídica, legalmente autorizado a representar o Segurado, angariar e promover contratos de seguro entre as Seguradoras e as pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado. Na forma do Decreto-Lei nº 73/66, o Corretor é o responsável pela orientação ao Segurado sobre as coberturas, obrigações e exclusões do contrato de seguro. A situação cadastral do Corretor poderá ser consultada no site www.susep.gov.br, com o número de seu registro na SUSEP, nome completo, CNPJ ou CPF.

Lesão exclusivamente física causada a uma pessoa em razão de acidente de trânsito envolvendo o veículo segurado. Danos classificáveis como mentais, morais, estéticos ou psicológicos não estão abrangidos por esta definição.

DANO ESTÉTICO

Dano físico/corporal que, embora não acarrete seqüelas que interfiram no funcionamento do organismo, implique redução ou eliminação dos padrões de beleza ou estética de uma pessoa.

DANO MATERIAL

Tipo de dano causado exclusivamente à propriedade material da pessoa.

DANO MORAL

Ofensa ou violação que, mesmo sem ferir ou causar estragos aos bens patrimoniais de uma pessoa, ofenda seus princípios e valores morais, tais como os que se referem a sua liberdade, a sua honra, a seus sentimentos, a sua dignidade e/ou a sua família. Em contraposição ao patrimônio material, é tudo aquilo que não seja suscetível de valor econômico, ficando a cargo do Juiz, no processo, o reconhecimento de tal dano, bem como a fixação de sua extensão e eventual reparação, devendo ser sempre caracterizado como uma punição que se direciona especificamente contra o causador dos danos.

DOLO

Ato consciente de má-fé em proveito próprio ou de terceiro, para induzir outrem à prática de um ato jurídico que lhe é prejudicial.

ENDOSSO

Documento expedido pela Seguradora, durante a vigência da apólice, pelo qual esta e o Segurado acordam quanto à alteração de dados e modificam condições da apólice.

EQUIPAMENTOS

Qualquer peça instalada no veículo em caráter permanente, não relacionada a sua locomoção, destinada a um fim  específico que não à melhoria ou decoração do bem ou ao lazer do usuário.

ESTELIONATO

Manobra fraudulenta que uma pessoa emprega contra outra com o fim de obter vantagem em proveito próprio ou de terceiro.

ESTIPULANTE

Pessoa física ou jurídica que contrata apólice de seguro, ficando investido dos poderes de representação dos Segurados perante a Seguradora.

FRANQUIA

Participação obrigatória do Segurado, expressa em reais (R$) na apólice, dedutível em cada evento (sinistro) reclamado por ele e coberto pela apólice, exceto nos prejuízos provenientes de raio e suas conseqüências, de incêndio, de explosão acidental, ou de Indenização Integral.

FURTO

Subtração, para si ou para outrem, de coisa móvel alheia, sem cometer violência contra a pessoa e sem deixar vestígios.

FURTO QUALIFICADO

Ação cometida para subtração de coisa móvel, com destruição ou rompimento de obstáculo à subtração da coisa, com emprego de chave falsa ou mediante cooperação de duas ou mais pessoas.

INCÊNDIO

Evento destrutivo caracterizado pela ação do fogo.

INDENIZAÇÃO INTEGRAL

Indenização que se caracteriza sempre que os prejuízos e/ou as despesas relativas ao conserto do veículo forem iguais ou superiores a 75% (setenta e cinco por cento) do valor contratado.

INDENIZAÇÃO PARCIAL

Dano sofrido pelo veículo segurado cujo custo para reparação ou reposição não atinge 75% (setenta e cinco por cento) do seu valor estabelecido na apólice, no ato da contratação.

INVALIDEZ PERMANENTE POR ACIDENTE

Perda ou impotência funcional definitiva, total ou parcial, de um membro ou órgão, em decorrência de acidente com o veículo segurado.

LIMITE MÁXIMO DE INDENIZAÇÃO (LMI)

Limite máximo, fixado nos contratos de seguro, representando o máximo que a Seguradora irá suportar em um risco coberto.

LIQUIDAÇÃO DE SINISTRO

Processo para pagamento da indenização ao Segurado, com base no relatório de regulação de sinistro.

NEXO CAUSAL

Relação da ação com o dano sofrido, ou seja, a relação que une a causa ao efeito.

PLURIANUAL

Contrato de seguro com vigência superior a (1) ano.

PRÊMIO

Importância paga pelo Segurado à Seguradora para que esta garanta o risco a que ele está exposto.

PROPONENTE

Pessoa que pretende fazer um seguro e que já firmou, para esse fim, a proposta.

PROPOSTA DE SEGURO

Instrumento mediante o qual o Proponente expressa a intenção de aderir ao seguro, especifica seus dados cadastrais e declara conhecimento e concordância em relação às regras estabelecidas nas respectivas Condições Gerais. A proposta é parte integrante do contrato.

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DO RISCO

Formulário de questões, que é parte integrante da proposta de seguro, e que deve ser respondido pelo Segurado, de modo claro e preciso, sem omissões. Trata-se de uma das referências que determinam o prêmio do seguro.

REGULAÇÃO DE SINISTRO

Exame das causas e circunstâncias do sinistro para se concluir sobre a cobertura e para apurar se o Segurado cumpriu todas as obrigações legais e contratuais.

RESPONSABILIDADE CIVIL FACULTATIVA DE PROPRIETÁRIOS DE VEÍCULOS AUTOMOTORES DE VIAS TERRESTRES (RCF-V)

Responsabilidade do Segurado decorrente de acidente causado pelo veículo segurado ou pela sua carga durante o transporte.

RESSARCIMENTO

Reembolso dos prejuízos assumidos pela Seguradora ao indenizar dano causado por terceiros ao veículo segurado.

RISCO

Evento, em data incerta, que independe da vontade das partes contratantes e contra o qual é feito o seguro. O risco é a expectativa de sinistro. Sem risco não pode haver contrato de seguro.

ROUBO

Subtração do bem, ou de parte dele, com ameaça ou violência à pessoa.

SALVADOS

Objetos resgatados de um sinistro e que ainda possuem valor econômico. Assim são considerados tanto os bens que tenham ficado em perfeito estado, como os parcialmente danificados pelos efeitos do sinistro.

SEGURADO

Pessoa — física ou jurídica — que, tendo interesse segurável, contrata o seguro em seu benefício pessoal ou de terceiros. É a pessoa pela qual a Seguradora assume a responsabilidade de determinados riscos e que contrata o seguro e/ou está exposta aos riscos previstos nas coberturas indicadas na apólice.

SEGURADORA

Pessoa jurídica, legalmente constituída, que emite a apólice, assumindo o risco de indenizar o Beneficiário/Segurado na ocorrência de um dos eventos cobertos pelo seguro.

SINISTRO

Ocorrência de um evento coberto e indenizável, previsto no contrato de seguro.

SUB-ROGAÇÃO

Transferência de direitos e obrigações entre duas pessoas.

SUSEP

Superintendência de Seguros Privados. Autarquia federal responsável pela regulação e fiscalização do mercado de seguros.

TERCEIRO

Pessoa culpada ou prejudicada no acidente, exceto o próprio Segurado ou seus ascendentes, descendentes, cônjuge, irmãos e pessoas que com ele residam ou que dele dependam economicamente.

VALOR DETERMINADO

Quantia fixa, garantida ao Segurado, na Indenização Integral do veículo. Esse valor é fixado em moeda corrente nacional, e determinado pelas partes no ato da contratação.

VIGÊNCIA

Prazo que determina o início e término da validade das garantias contratadas.

VISTORIA PRÉVIA

Inspeção que a Seguradora realiza, antes da aceitação do risco, para verificação das características e do estado de conservação do veículo.

VISTORIA DE SINISTRO

Inspeção que a Seguradora efetua, por intermédio de peritos habilitados, para verificar, na hipótese de sinistro, os danos ou prejuízos do veículo.